top of page
Buscar
  • Foto do escritorAlê Delara

Entenda por que os preços da soja caíram até R$ 2,50 por saca no Brasil



Em Dourados, Mato Grosso do Sul, a saca que era vendida a R$ 68,50 por saca, recuou para R$ 66. Veja como estão os preços em outras praças


A queda acentuada do dólar travou o mercado brasileiro de soja na última quinta-feira, dia 31. Para piorar, as cotações na Bolsa de Chicago também fecharam em baixa, com isso os preços domésticos ficaram estáveis ou caíram. Nesta sexta-feira, dia 1, os contratos na Bolsa até tentam alguma reação, mas dificilmente reverterá as perdas da semana, afirma a consultoria Safras & Mercado.


Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos baixou de R$ 76 para R$ 75,50. Na região das Missões, a cotação recuou de R$ 74 para R$ 73,50 a saca. No porto de Rio Grande, os preços caíram de R$ 77,50 para R$ 77.


Em Cascavel, no Paraná, o preço baixou de R$ 73 para R$ 71,50 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca recuou de R$ 78,50 para R$ 76,50.


Em Rondonópolis (MT), a saca caiu de R$ 66 para R$ 65. Em Dourados (MS), a cotação caiu de R$ 68,50 para R$ 66. Em Rio Verde (GO), a saca retrocedeu de R$ 67 para 66.


Chicago e câmbio na quinta-feira


Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quinta-feira, dia 31, com preços em baixa, revertendo os ganhos iniciais. O mercado se posicionou frente as novidades sobre exportações dos Estados Unidos e das conversas entre os representantes chineses e americanos, em busca de um acordo comercial.


O presidente norte-americano, Donald Trump, disse que um acordo comercial mais amplo deve ser fechado com a China até dia 1 de março, sem descartar a possibilidade de postergar esse prazo caso seja necessário. No entanto, não descartou a possibilidade de aumentar as tarifas sobre US$ 200 bilhões em importados chineses – de 10% para 25% – caso não haja acordo com Pequim.


Com isso, os contratos da soja em grão com entrega em março fecharam com baixa de 0,62%, a US$ 9,15 por bushel. A posição maio teve cotação de US$ 9,29 por bushel, perda de 5,75 centavos de dólar em relação ao fechamento anterior ou 0,61%.


Nos subprodutos, a posição março do farelo fechou com baixa de US$ 1,10 ou 0,35%, sendo negociada a US$ 310,00 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em março fecharam a 30,17 centavos de dólar, com baixa de 0,25 centavo ou 0,82%.


O dólar comercial encerrou a sessão em queda de 1,74%, negociado a R$ 3,6590 para venda e a R$ 3,6570 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,6380 e a máxima de R$ 3,6820.


Chicago e câmbio nesta sexta


Os contratos da soja em grão registram preços mais altos nas negociações da sessão eletrônica na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT). Segundo a Safras & Mercado o mercado busca suporte na esperança de que um acordo seja selado entre os Estados Unidos e a China. No acumulado da semana, porém, ainda um uma queda de quase 0,5%.


Os contratos com vencimento em março de 2019 operam cotados a US$ 9,23 por bushel, com ganho de 0,87%.


O dólar comercial abriu a sessão em leve queda negociado a R$ 3,6560 para venda e a R$ 3,6570 para compra. Durante a manhã, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,6500 e a máxima de R$ 3,6600.


Texto retirando do site: http://www.projetosojabrasil.com.br/entenda-porque-os-precos-da-soja-cairam-ate-r-250-por-saca-no-brasil/

5 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page